O que é a diástase abdominal e como identificá-la?

Diástase abdominal é o afastamento dos músculos reto do abdômen, geralmente ao nível e acima do umbigo, podendo vir acompanhada por hérnia umbilical.

A imagem mostra uma mulher com afastamento nos músculos abdominais.

A diástase abdominal é um problema que afeta os músculos reto do abdômen e não é somente a gestação que a provoca. Por isso, mulheres não gestantes e também homens podem apresentar essa condição, mas a boa notícia é que existe tratamento.

Mas o que é exatamente a diástase abdominal e por que ela acontece? Se você tem dúvidas sobre esse assunto, continue lendo o artigo para conferir a resposta. Acompanhe e veja:

1- O que é diástase abdominal?
2- Quais são as causas da diástase abdominal?
3- Como identificar a diástase abdominal?
4- Existe tratamento para esse problema?

O que é diástase abdominal?

Principalmente em homens e mulheres que exercitam regularmente o abdômen, podemos perceber algumas divisões que são popularmente chamadas de gomos e formam a famosa “barriga de tanquinho”. Essa anatomia faz parecer que ali estão localizados diversos músculos, mas isso não é verdade.

Estamos falando de apenas dois músculos, os reto abdominais, que apresentam de três a quatro inserções tendíneas na posição horizontal, dando essa impressão de serem estruturas diferentes. Além disso, existe uma linha mediana que divide o abdômen entre o lado direito e o esquerdo.

A diástase abdominal é o problema que se caracteriza por um afastamento dessas duas porções dos músculos reto abdominais. Se forma um espaço no meio do abdômen, geralmente na altura e acima do umbigo, que abaúla durante os esforços abdominais, causando uma volumosa proeminência na linha média. Esse afastamento pode ser expressivo, alcançando até 10 cm.

Quais são as causas da diástase abdominal?

Explicamos que a gravidez é a principal causa da diástase abdominal em mulheres gestantes. Esse afastamento do músculo acontece porque ele se distende demais em função do volume do útero, por isso, em alguns casos também vem acompanhado da formação de hérnia umbilical.

De toda forma, existem outras condições que podem provocar esse afastamento. É o que acontece com pessoas que experimentam o ganho de peso muito rápido, e aquelas que levantam cargas excessivamente pesadas. Portanto, mulheres fora da gestação e também homens podem ter a diástase abdominal.

Como identificar a diástase abdominal?

Mulheres que desenvolvem diástase abdominal por causa da gestação apresentam flacidez abdominal e costumam ser acometidas por dores lombares durante o pós-parto. As manifestações dolorosas também podem se estender para as nádegas.

Outro sintoma característico dessa condição é o surgimento de uma protuberância no abdômen ao realizar um esforço físico ou quando ocorre um aumento da pressão intra-abdominal. Ao tossir, se sentar, agachar, levantar ou segurar algum peso, pode ser notada a formação dessa protuberância.

Em seguida, contraia a musculatura como se estivesse fazendo um exercício abdominal.

O diagnóstico definitivo deve ser feito por um cirurgião, por meio do exame físico ou com a utilização de exames de imagem específicos.

Existe tratamento para esse problema?

Durante a gestação é normal que aconteça a diástase abdominal e que ela se corrija espontaneamente depois do parto. Nesse caso, o afastamento é pequeno, sendo de apenas 2 cm (afastamento entre os bordos mediais dos músculos reto abdominais), e acontece para que o organismo consiga organizar as vísceras e comportar o volume do útero.

Nos casos em que a diástase não recua, é possível recorrer ao tratamento. Ele é feito com exercícios específicos e sessões de fisioterapia, sendo que essas medidas muitas vezes são suficientes para reposicionar a musculatura. Já nos casos mais expressivos, que não respondem bem à terapia conservadora, pode ser necessário a cirurgia.

Identificar e tratar a diástase abdominal é muito importante porque o músculo do abdômen tem um papel fundamental na preservação da coluna, além de proteger os órgãos e vísceras dessa região. Sendo assim, se perceber um sintoma ou tiver dúvidas, procure o especialista.

DR. MARCELO LINHARES

CRM 112046

Sou Marcelo Linhares, graduado em Medicina pela Universidade Federal do Ceará, em 1989.

No ano de 1998, fiz mestrado em Medicina (Gastroenterologia Cirúrgica) pela Universidade Federal de São Paulo, com aperfeiçoamento em Cirurgia  Hepatobiliar, na Université Paris-Sud XI no Centre Hépato-Biliaire do Hôpital Paul Brousse, Paris-FRA, em 2000.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 2 =

AGENDE SUA CONSULTA

FALE CONOSCO

× Agende sua consulta