A importância do diagnóstico precoce da apendicite

A imagem mostra uma pessoa com a mão apertando o local do apêndice.

Sentir dor ao redor do umbigo, enjoo, falta de apetite, apresentar anormalidades no aparelho digestivo (sensação de parada da eliminação de gases e fezes ou diarreia) e até mesmo, ter febre. Todos estes são sinais que podem apontar para o diagnóstico da apendicite.

A apendicite nada mais é do que uma inflamação que atinge o apêndice, um órgão localizado ao lado direito do intestino grosso, e que muitas vezes, não apresenta uma função específica. Quando não tratado, o problema pode levar a complicações mais sérias.

E no post de hoje, falaremos um pouco mais sobre este assunto, destacando a importância do diagnóstico precoce da apendicite. Continue nos acompanhando!

Diagnóstico: como funciona?

Conforme dissemos, caso a apendicite não seja tratada e diagnosticada a tempo, pode provocar complicações como por exemplo, a ruptura do apêndice, com riscos de peritonite, ou seja, a infecção decorrente da contaminação da cavidade abdominal por fezes ou conteúdo purulento do interior do apêndice.

Esta condição costuma ser muito grave, e se não for tratada a tempo, pode levar a disseminação da infecção para toda a cavidade abdominal, para os outros órgãos, e até mesmo para a circulação sistêmica (septicemia ou sépsis). Por isso, é fundamental que, ao sentir dor abdominal, o médico especialista seja consultado rapidamente.

Em um primeiro momento, o diagnóstico pode ser um pouco difícil, pois existem outras doenças que podem provocar sintomas semelhantes, principalmente nas mulheres, como inflamações ginecológicas, gravidez ectópica (fora do útero) ou ruptura de cistos de ovário. Por isso, mesmo que o médico suspeite de que se trata de uma apendicite, ele seguramente precisará de algum método complementar para descartar outras possibilidades.

São realizados, então, exames gerais (hemograma, PCR, exame de urina) e exames de imagem, como ultrassonografia com Doppler e/ou tomografia computadorizada do abdome. Todos esses recursos podem afastar as outras hipóteses, embora nem sempre evidenciem claramente o problema.

Tratamento precoce da apendicite

Em termos de tratamento precoce, reforçamos que, aos primeiros sinais clínicos, é importante consultar o médico para impedir que a inflamação evolua, e assim o diagnóstico precoce possibilitará também o tratamento nas fases iniciais da doença, que envolve a retirada do apêndice por meio de cirurgia, geralmente por laparoscopia.

Gostou do conteúdo de hoje? Deixe um comentário abaixo e compartilhe!

DR. MARCELO LINHARES

CRM 112046

Sou Marcelo Linhares, graduado em Medicina pela Universidade Federal do Ceará, em 1989.

No ano de 1998, fiz mestrado em Medicina (Gastroenterologia Cirúrgica) pela Universidade Federal de São Paulo, com aperfeiçoamento em Cirurgia  Hepatobiliar, na Université Paris-Sud XI no Centre Hépato-Biliaire do Hôpital Paul Brousse, Paris-FRA, em 2000.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 5 =

AGENDE SUA CONSULTA

FALE CONOSCO

× Agende sua consulta