CÂNCER DE PÂNCREAS

Localizado próximo ao estômago e ao intestino, o pâncreas é o órgão responsável pela produção de insulina (pâncreas endócrino) e enzimas pancreáticas envolvidas na digestão (pâncreas exócrino). Quando ocorre o crescimento descontrolado e anormal das células da glândula que compõe o sistema digestivo, surge o câncer de pâncreas.

Em muitos casos, não é possível determinar as causas do câncer de pâncreas, mas sim os fatores de risco. Entre eles o tabagismo, a pancreatite crônica, o diabetes mellitus tipo 2, radioterapia, exposição a produtos químicos, determinadas síndromes genéticas, retirada da vesícula biliar, cirurgias de úlcera, alguns cistos pancreáticos (IPMN), tumores benignos (cistoadenoma mucinoso), entre outros.
O adenocarcinoma é o tipo de câncer de pâncreas mais frequente e pode estar relacionado com o tabagismo.

Localizado próximo ao estômago e ao intestino, o pâncreas é o órgão responsável pela produção de insulina (pâncreas endócrino) e enzimas pancreáticas envolvidas na digestão (pâncreas exócrino). Quando ocorre o crescimento descontrolado e anormal das células da glândula que compõe o sistema digestivo, surge o câncer de pâncreas.

Em muitos casos, não é possível determinar as causas do câncer de pâncreas, mas sim os fatores de risco. Entre eles o tabagismo, a pancreatite crônica, o diabetes mellitus tipo 2, radioterapia, exposição a produtos químicos, determinadas síndromes genéticas, retirada da vesícula biliar, cirurgias de úlcera, alguns cistos pancreáticos (IPMN), tumores benignos (cistoadenoma mucinoso), entre outros.
O adenocarcinoma é o tipo de câncer de pâncreas mais frequente e pode estar relacionado com o tabagismo.

Sintomas do câncer de pâncreas

O câncer de pâncreas é uma doença que geralmente não apresenta sintomas inicialmente, o que muitas vezes acaba retardando e dificultando o seu diagnóstico precoce. Quando surgem sinais, os mais comuns são:

  • Icterícia (coloração amarelada da pele e da parte branca dos olhos – esclera);
  • Cansaço;
  • Perda inexplicada do apetite e do peso;
  • Anemia;
  • Dor abdominal;
  • Pancreatite;
  • Diabetes tipo 2.

Alguns desses sintomas, quando aparecem, podem indicar também que as células malignas já se espalharam e invadiram a corrente sanguínea, afetando outros órgãos, indicando que a doença está em estágio avançado.

Alguns desses sintomas, quando aparecem, podem indicar também que as células malignas já se espalharam e invadiram a corrente sanguínea, afetando outros órgãos, indicando que a doença está em estágio avançado.

Diagnóstico de câncer de pâncreas

O diagnóstico da doença é suspeitado pela história clínica do paciente, pode-se utilizar os exames de laboratório (dosagem bioquímica e de marcadores de tumor no sangue) e a confirmação do diagnóstico é realizada pelos exames de imagem, como ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, pela colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPER) e pela biópsia realizada por ecoendoscopia (combinação de endoscopia com o ultrassom, que é adaptado na extremidade do endoscópio).

Câncer de Pâncreas – Ressonância Magnética : A: sequência ponderada em T2, sem contraste, observando uma lesão hipoatenuante no corpo do pâncreas, de contornos mal definidos (círculo amarelo e stas finas), determinando dilatação do ducto pancreático a montante da neoplasia (seta branca); B: sequência ponderada em T2, sem contraste, observa-se uma lesão nodular no corpo pancreático determinando dilatação do ducto pancreático à montante (seta amarela); C: Sequência ponderada em T2, corte coronal, observa-se comprometimento tumoral e dilatação do ducto colédoco (seta branca) e dilatação do ducto pancreático à montante da neoplasia (seta amarela).

Tratamento do câncer de pâncreas

O tratamento do câncer de pâncreas, geralmente, engloba uma cirurgia para que o tumor seja removido. Quando já existem metástases prejudicando também o funcionamento de outros órgãos, o procedimento cirúrgico pode ser realizado para reduzir os sintomas e os desconfortos causados pela doença.

A quimioterapia, mesmo não associada à radioterapia, é um recurso terapêutico para evitar o ressurgimento do tumor.
Inicialmente, as características dos sintomas poderão ser confundidas com outras doenças, mas o diagnóstico precoce será fundamental para o sucesso do tratamento.

Tratamento do câncer de pâncreas

O tratamento do câncer de pâncreas, geralmente, engloba uma cirurgia para que o tumor seja removido. Quando já existem metástases prejudicando também o funcionamento de outros órgãos, o procedimento cirúrgico pode ser realizado para reduzir os sintomas e os desconfortos causados pela doença.

A quimioterapia, mesmo não associada à radioterapia, é um recurso terapêutico para evitar o ressurgimento do tumor.
Inicialmente, as características dos sintomas poderão ser confundidas com outras doenças, mas o diagnóstico precoce será fundamental para o sucesso do tratamento.

DR. MARCELO LINHARES

CRM 112046

Sou Marcelo Linhares, graduado em Medicina pela Universidade Federal do Ceará, em 1989.

No ano de 1998, fiz mestrado em Medicina (Gastroenterologia Cirúrgica) pela Universidade Federal de São Paulo, com aperfeiçoamento em Cirurgia  Hepatobiliar, na Université Paris-Sud XI no Centre Hépato-Biliaire do Hôpital Paul Brousse, Paris-FRA, em 2000.

× Agende sua consulta